Especial: desvendamos os segredos do Huracán Performante

Dissecamos o sistema de aerodinâmica ativa que ajuda o Lamborghini a voar colado no chão de Nürburgring

Fotos: Ilustração: Pete Sucheski | Texto: Csaba Csere

Asas, spoilers e outros apêndices aerodinâmicos aparecem na maioria dos carros de corrida porque eles geram downforce para aumentar a aderência sem aumentar muito a massa.Infelizmente o downforce também cria arrasto, e a maioria das organizações de automobilismo não permite ajustes que maximizam os benefícios enquanto minimizam os efeitos colaterais.

Mas os carros de rua não têm estas restrições arcaicas, por issovários modelos de alto desempenho têm dispositivos aerodinâmicos móveis. O Performante emprega o chamado ALA, que significa Aerodinâmica Lamborghini Attiva.

Na dianteira, o ALA usa um splitter convencional. Ele opera impedindo o fluxo de ar para debaixo do carro, criando uma zona de alta pressão que pressiona o splitter horizontal para baixo. Quando o downforce é desnecessário, um par de flaps na grade se abre para permitir o fluxo de ar sob o carro.

Na traseira há uma asa de carbono instalada sobre suportes ocos. Mas em vez de incliná-la para alterar seu downforce e arrasto, a marca instalou um pequeno duto de ar na frente de cada um dos suportes,que direciona o ar para uma cavidade interna da asa. Uma fileira de respiros na parte inferior direciona o ar para a turbulência de esteira do carro.

Lamborghini Huracán Performante ALA

Quando o downforce é necessário, um pequeno flap bloqueia este duto e impede o ar de fluir pelos respiros. A asa então age normalmente, criando aderência aerodinâmica.Mas quando o baixo arrasto é mais importante que o alto downforce, pequenos motores elétricos abrem os flaps e o fluxo de ar resultante reduz o diferencial de pressão entre o topo e a parte inferior da asa gerando menos downforce e arrasto.

O mecanismo necessário para alterar o ângulo de uma asa deste tamanho teria tornado o esportivo 15 kg mais pesado que com este sistema simples de flaps. Além disso, os flaps podem abrir e fechar em 0,5 segundo.

Mas há outro truque especial: dentro da asa oca há uma parede separando sua câmara interna em duas metades, possibilitando a regulagem de downforce em cada lado daasa separadamente. Ao criar downforce somente na metade interna durante a curva, o sistema ajuda a equilibrar a carga sobre os pneus traseiros, enquanto o maior arrasto ajuda a rotacionar curva.

A operação destes flaps, bem como aqueles que regulam o splitter frontal, é determinada pelas condições do veículo, bem como pelo modo de condução selecionado. Eles podem alternar o lado rapidamente para melhorar o desempenho em um teste de slalom e o downforce máximo a 310 km/h é de substanciais 350 kg. Os engenheiros da Lambo dizem que a volta recorde de 6:52,1 em Nürburgring (cuja legitimidade ainda é questionada por alguns) não teria sido possível sem o ALA

Compartilhe esse conteúdo



Comentários